Biografia de Karl Marx


Artur Júnior dos Santos Lopes

Fundamental destacar a iniciativa da Editora Sundermann (http://www.editorasundermann.com.br/) que em conjunto com a UFRGS/FCE (http://www.ufrgs.br/fce/) promoveu o qualificado debate a respeito da biografia de Karl Marx de Franz Mehring (http://loja.tray.com.br/loja/produto-46909-1274-karl_marx_a_historia_de_sua_vida_) e também a repercussão da teoria marxista na economia. Realizaram a apresentação e o debate os Professores Marcelo Milan[1] (viés econômico atual) e o Professor Felipe Demier[2] (biografia de Marx).

Frente ao reconhecimento da necessidade da apresentação e do debate das mais diversas teorias e principalmente da teoria Marxista, creio que o debate deva ser aprofundado com toda a sociedade e que a maior parte da população possa ter contato com este texto e com os textos de outros autores que se contrapõem a Marx, ou que permitem que Marx esteja colocado historicamente onde ele esta. Isso quer dizer que a discussão da biografia de Marx é fundamental e deve ser realizada, mas com ele também são necessárias o conhecimento das teorias hegeliana, kantiana, platônica, habermasiana, honnetiana, enfim, um apropriar-se dos recursos intelectuais, que como esta biografia também tem de estar disponíveis para uma população carente destes conhecimentos[3]. Contudo, gostaria que alguns aspectos filosóficos fossem melhor destacados. Em especial as questões que tangem a Filosofia Marxiana, pois creio que seja fundamental para o exercício de qualquer prática revolucionária a apropriação do instrumental que está disponível a cada tempo histórico. Isso parece ter ficado esquecido. Também gostaria de ver mais aprofundadamente a questão da dialética hegeliana, a qual Marx tem como herança, mas que a refutação, equivocamente é tratada como ruptura. Aqui é fundamental que seja percebido que a contradição dentro do sistema filosófico hegeliano está longe de ser a anulação ou a ruptura com o que antecede. A contradição dentro do sistema filosófico hegeliano quer dizer muito mais, quer dizer a suprassunção, o superar que conserva o que é negado, fazendo com que haja um crescimento neste processo[4].

Creio que a ruptura se dá, quando Marx se percebe em seu tempo e deseja que ele seja diferente, produzindo o Idealismo Material Alemão, ou como poderíamos definir filosoficamente este pensamento?

Mais uma vez meus agradecimentos e parabéns pela discussão!

Porto Alegre, 9 de Julho de 2013

Comments